O Relacionamento Interpessoal no Trabalho em Função do Traço de Personalidade do Indivíduo

O relacionamento entre pessoas no ambiente de trabalho é um dos mais complexos dentre as situações existentes na vida humana. Alia comportamentos individualizados de cada ser dentro de uma instituição pública e privada frente à dinâmica do trabalho grupal na organização, desejos pessoais e institucionais das empresas.

Como qualquer setor que depende da ação e interação humanas, o local de trabalho, por conta dessa dinâmica, pode ser um local agradável como também pode ser um “calvário” para um determinado trabalhador, assim como para seus pares.
Sempre o local de trabalho será um ambiente de diferenças e conflitos, que exigirá dos setores de recursos humanos e seus gestores muita competência para administrar os problemas que surjam no recinto laboral, atendendo as exigências do ser-indivíduo com suas aspirações de reconhecimento profissional e valorização humana e as metas cobradas pelas empresas de seus colaboradores. Nem sempre o que se atenta para a perspectiva do indivíduo no local de trabalho é compartilhado ou esperado pelas equipes de trabalho e pela organização; com isso, a insatisfação de ambas as partes ou de uma das partes estabelece o conflito inexorável que deverá ser resolvido pelo gestor de pessoal.
Competitividade, cobranças de resultados e atingimento de metas estabelecidas, muitas absurdas, farão, portanto, que dentro do trabalho, a força do recurso humano seja sempre mais exigida do trabalhador, por parte da chefia ou do corpo gerencial. Aliás, quando se fala em relacionamento interpessoal no trabalho, em função das exigências do mercado, as relações entre os colaboradores tornam-se cruentas e malévolas com o uso de “puxar o tapete” no ambiente laboral porque o colega de trabalho, nesse espectro, deixa de ser um aliado e passa a ser um competidor do outro colega com o objetivo de ganhar uma promoção ou reconhecimento da empresa, porém em detrimento da ascensão do outro trabalhador. Não é por acaso que o assédio moral seja um dos males mais hediondos quando se trata de relacionamento entre pessoa X pessoa e pessoa X grupo no ambiente de trabalho.

Campanhas são feitas no sentido de gerir conflitos no trabalho. Mas, enquanto os gestores de recursos humanos não estiverem preparados para conhecer o perfil psicológico-comportamental de cada indivíduo no ambiente laboral, as tentativas de solução de conflitos interpessoais no trabalho serão fadadas ao fracasso, pois, no recinto de trabalho, sempre haverá um trabalhador com traços de personalidade esquizóide ou histriônica, um mais reservado e calado e outro mais expansivo e extrovertido. O grande problema é que as empresas não trabalham com perfis individualizados de seus colaboradores, mas sempre padronizando um perfil de trabalhador adequado para a organização de forma simétrica, o que demanda incompreensões, preconceitos e discriminações a determinados quadros de perfil psicológico nas empresas, estabelecendo o conflito e as dificuldades de relacionamentos entre os trabalhadores no ambiente laboral. O lema deveria ser respeitar a individualidade de cada um em prol da produtividade e da dinâmica do trabalho. Respeitar a individualidade é aceitar cada trabalhador na forma em que ele se comporta exteriorizando a sua conduta nata e valorizando mais sua produtividade esquecendo o seu jeito de ser “estranho” ou “esquisito”.

Sandro Moraes
Colaborador

Posted in:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *